Apêndice a Notícias de Amor

Hesito antes de editar este volume, onde se incluem, além da escassa produção poética já reunida, sob o mesmo título, em pequena publicação fora do comércio, nos 60 anos do autor, os poucos versos que a vida lhe foi ditando depois deles.

Mais confissão do que meditação, mais sombra de amor feliz do que denúncia dos males do mundo, caberia dar a esta poesia despretensiosa a forma de livro?

Diante dos poemas de Afonso Arinos de Melo Franco, Alphonsus de Guimaraens Filho, Carlos Drummond de Andrade, José Chagas, Luis Veiga Leitão e Marco Aurélio Mello Reis, agrupados em silva poética nas ultimas paginas, e dos que já figuram em volumes de versos de Homero Homem e Tobias Pinheiro, me animo a pensar que sim. Sob a proteção desses altos poetas ponho nas mãos de quem ler este relatório sobre mim mesmo.

E assinalo também a alegria de ver publicada esta lira de velho ao mesmo tempo que “A Casa”, de Marcio Tavares d’Amaral e “A Roseira e o Mato”, de Virgílio Costa. Em ambos ponho minha bênção paterna e minha esperança de companheiro.

OC,f